Arquitetura – O Que É, Afinal?

A definição do que é a Arquitetura tem ocupado, ao longo dos tempos, a mente de filósofos, historiadores de arte e todas as pessoas envolvidas na prática, que continuam a tentar chegar a um consenso. Afinal, a Arquitetura envolve uma amálgama de arte com ciência, em que o plano específico daquilo que um arquiteto quer construir adquire um maior relevo.

ArchitectureA Arquitetura é uma das Belas-artes, com uma expressão poética que envolve a harmonização de um edifício com a paisagem circundante. Ela pode ser considerada uma construção que desperta as nossas emoções, mas a verdadeira substância e alma de um trabalho reside numa certa qualidade “metafísica” da ideia subjacente, que lhe é reconhecida publicamente.

A dimensão onírica da Arquitetura plasma-se na tentativa de, literalmente, construir um sonho. Cada estilo e variação do “design” é escolhido em função de um objetivo criado pela mente do arquiteto ou pela sua filosofia. O criador projeta, pois, nas suas obras, a sua cosmovisão filosófica e o seu mundo emocional. No entanto, uma obra arquitetónica requer também um nível de objetividade que evita que o trabalho se torne débil, por excesso de emotividade. O sentimento do belo deve advir da experiência, em conjugação com a ideia de que partiu.

Na realidade, diz-se que, enquanto os restantes artistas trabalham do real para o abstrato, os arquitetos fazem o percurso inverso, inspirando-nos com ideias de espaço e luz, que são desenvolvidas em abstrato. A ideia tradicional de “funcionalidade” que associamos à Arquitetura não faz parte da sua essência, já que, tanto quanto a Música, a Arquitetura procura inspirar-nos com uma construção de energia luminosa que nos toque profundamente, tal como a Música nos move o Espírito.

Desenvolvendo esta analogia, a Arquitetura trabalha os espaços e as perspetivas de um modo que quase nos faz “escutá-los”, numa convergência entre interior e exterior. Ela é, por excelência, uma Arte do Espaço, que cria uma ligação orgânica entre o conceito e a forma, sob uma intenção exata, em que todas as partes têm o seu lugar e importância e nos deixam um impacto conjunto subconsciente, que procuramos definir e compreender.